fbpx

Daltonismo: o que é, causas, sintomas e diagnóstico

Apesar de não ter cura, pacientes aprendem a viver com as interferências do daltonismo na vida diária.
Daltonismo: o que é, causas, sintomas e diagnóstico

A visão é um dos cinco sentidos do ser humano. Por meio dela, é possível observar tudo o que está ao nosso redor, diferenciando tamanhos, formatos e cores. 

Ao entrar em um pomar, por exemplo, o visitante tem a percepção de, no mínimo, três cores diferentes: o marrom dos troncos das árvores, o verde da grama e das copas e o vermelho das maçãs maduras. Contudo, para quem sofre com o daltonismo, essa percepção pode não ser a mesma. 

O daltonismo, também conhecido como discromopsia ou discromatopsia, afeta diretamente a percepção que o ser humano tem das cores. A grande dificuldade dos daltônicos é diferenciar o verde do vermelho, porém, com menos frequência, pode aparecer também na hora de distinguir o amarelo e o azul. 

Neste artigo, os especialistas do Donato Hospital de Olhos apresentam os três tipos de daltonismo existentes, as causas mais comuns e como o indivíduo pode chegar ao diagnóstico. Se você quer conhecer mais sobre esse assunto, continue conosco. Boa leitura!

A visão de quem sofre com o daltonismo

O que acontece com a visão de uma pessoa que sofre com o daltonismo para que ela não consiga diferenciar cores aparentemente tão diferentes? Todos os seres humanos possuem, no centro da retina, dois tipos de fotorreceptores. Eles são responsáveis por captar a luz que entra pela retina e transmiti-la para o cérebro através de um impulso nervoso. Quando este comando chega ao cérebro, ele reconhece as imagens. 

Um desses fotorreceptores é do tipo cone e é responsável pela visão em cores. Já o outro fotorreceptor, o bastonete, permite com que os indivíduos enxerguem em preto e branco. A pessoa daltônica não possui cones suficientes e, assim, a mensagem referente à determinadas cores não chega com clareza ao cérebro. 

O vermelho que uma pessoa sem daltonismo vê não é o mesmo tom que um daltônico percebe. Este distúrbio dificulta, principalmente, a percepção do verde e do vermelho, ou seja, cores primárias. Quando o indivíduo não consegue distinguir essas cores, a percepção de todas as outras também é afetada. De acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 350 milhões de pessoas em todo o mundo são daltônicas, sendo 8 milhões brasileiras.

Diferentes tipos de daltonismo

Existem três tipos de daltonismo e cada um deles irá interferir de uma maneira na percepção das cores pelo indivíduo. São eles:

  • Protonopia: neste tipo de daltonismo, o indivíduo tem diminuição ou ausência completa do pigmento vermelho. Ele enxerga apenas em tons de cinza, verde e marrom. Tudo vai depender da quantidade de pigmentos vermelhos que um objeto tiver. É normal, neste caso, a confusão entre verde e vermelho.
  • Deuteranopia: o indivíduo com deuteranopia não consegue distinguir a cor verde, e tudo parece marrom. Uma árvore, por exemplo, aparenta ser da mesma cor, toda marrom. 
  • Tritanopia: esse tipo de daltonismo é mais raro. Neste caso, o indivíduo não consegue diferenciar o amarelo do azul. Ele ainda percebe o azul, porém em tonalidades que não são fiéis à realidade. O amarelo fica como um rosa claro e o laranja não existe.

Causas mais comuns do daltonismo

Na maioria dos casos, o daltonismo é hereditário e afeta mais homens do que mulheres. No caso dos meninos, eles herdam o cromossomo X da mãe e o Y do pai, por isso, de acordo com a Medicina, acabam sendo mais afetados. Além disso, o daltonismo é mais comum em indivíduos europeus e costuma ser bastante raro no povo indígena. 

O daltonismo interfere na vida cotidiana?

De acordo com o Dr. Drauzio Varella, o daltonismo não deve interferir, de nenhuma forma, no desenvolvimento pessoal e no aprendizado de uma criança. É dever da escola e também dos pais propiciar um ambiente onde haja alterações no material didático e promoção do acesso à informação. 

Na vida cotidiana, o daltonismo raramente vai se mostrar como um empecilho grave. Na hora de fazer compras, por exemplo, talvez o daltônico precise de uma ajuda para conferir se as peças de roupa estão combinando. Quando for escolher as frutas, pode ser que leve para casa algumas muito maduras, enquanto outras estão verdes. Ao cozinhar, pode ser um pouco difícil determinar o ponto da carne.

O mais importante é que o daltônico entenda desde cedo a alteração que possui na visão e aprenda formas de trabalhá-la ao longo da vida. Infelizmente, essa característica não vai desaparecer e é preciso conviver com ela da melhor maneira possível.

Diagnóstico de daltonismo

O diagnóstico de daltonismo pode ser feito de diversas formas, porém o Teste de Ishihara, desenvolvido pelo médico japonês Shinobu Ishihara, em 1917, é o mais utilizado. Nele, o oftalmologista mostra ao paciente alguns cartões pontilhados com diversas cores e tonalidades diferentes. Em cada cartão, existe um número no centro. O paciente precisa reconhecer o número. Se ele apresentar dificuldade no contraste de vermelho com verde, por exemplo, ele é daltônico para estas cores.

Apesar de não ter cura, a tecnologia vem ajudando a minimizar os desconfortos causados pelo daltonismo. Atualmente, existem óculos com lentes especiais e até mesmo lentes de contato que ajudam a melhorar a condição, enfatizando as cores que faltam para cada paciente. Nenhuma dessas lentes, entretanto, irá devolver a visão normal ao daltônico.

Consulte regularmente o oftalmologista

O daltonismo não apresenta nenhuma relação com outras doenças oculares e também não evolui. Entretanto, seja você daltônico ou não, manter consultas regulares com o oftalmologista é a melhor forma para identificar precocemente doenças oculares e iniciar o tratamento.

O Donato Hospital de Olhos tem a tradição de 45 anos de história e é uma instituição reconhecida internacionalmente pela qualidade dos atendimentos prestados e pela estrutura oferecida aos pacientes na área de oftalmologia. Agende agora mesmo uma consulta com os especialistas do Donato e dê aos seus olhos o melhor cuidado. Estamos aguardando o seu contato!

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email